segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Hora Absurda




(...) Meu coração é uma ânfora que cai e que se parte...
O teu silêncio recolhe-o e guarda-o, partido, a um canto...

Ah, como esta hora é velha!...E todas as naus partiram!...

O palácio está em ruínas... Dói ver no parque o abandono
Da fonte sem repuxo... Ninguém ergue o olhar da estrada
E sente saudades de si ante aquele lugar-outono...
Esta paisagem é um manuscrito com a frase mais bela cortada...

Da última janela do castelo só um girassol
Se vê, e o sonhar que há outros põe brumas no nosso sentido...

(Fernando Pessoa)







Gregorian Masters of Chant - The Boulevard of Broken Dreams

Piadeeenhaaaaa

MULHER FALA!!!!!!!


Amigo 1:
--Cara, faz 1 ano que não falo com minha esposa!
Amigo 2:
-- Mas o que houve, brigou com ela?
Amigo 1:
-- Não, é que não gosto de interrompê-la.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
ai magoo kkkkkkkkkkkkkk

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Pedido de Natal




No final do ano, o Joãozinho resolve escrever uma carta para o Pai Natal:

-Querido Pai Natal, fui um bom menino durante todo o ano ! Gostaria de ganhar uma bicicleta!

O menino olha para o texto e insatisfeito amassa a folha e escreve novamente:

- Pai Natal, fui um bom menino durante a última semana! Por favor mande-me uma bicicleta!

Novamente Joãozinho não se satisfaz.

Pensa um pouco, vai até o presépio, pega no Menino Jesus, tranca-o numa gaveta e volta a escrever:

- Virgem Maria, sequestrei o seu filho!

Se quiser vê-lo novamente, mande-me uma bicicleta!!!



terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Sempre gostamos de saber



Que coisa meiga você é?
Clike no link e confira!!


http://meiguice.no.sapo.pt/teste/



Viajante dos meus Sonhos


Sou pura sensibilidade
Me privo provisoriamente
Da minha autonomia
E deixo-me
Sonhar, levitar.
Imagino ser uma
Pequena borboleta
Pousando de flor em flor,
E voando, deslizando,
Admirando
Extraordinariamente
Meu jardim interno
Transitório
Embriagada de mim mesma
À espera do meu amor!

Paty Padilha

Desejo um Feliz Natal às bordadeiras de sonhos,

aos homens que prenham a terra com sementes de vida,

às crianças de todas as idades desditosas de maldades,

e a todos que decifram nos sons da madrugada

o augúrio de promissoras auroras."



Frei Betto

Nunca eu tivera querido
dizer palavra tão louca:
bateu-me o vento na boca,
e depois no teu ouvido.
Levou somente a palavra,
deixou ficar o sentido.
O sentido está guardado
no rosto com que te miro,
neste perdido suspiro
que te segue alucinado,
no meu sorriso suspenso
como um beijo malogrado.
Nunca ninguém viu ninguém
que o amor pusesse tão triste.
Essa tristeza não viste,
e eu sei que ela se vê bem...
Só se aquele mesmo vento
fechou teus olhos, também

Cecília Meireles

Meu toque de Fada


Sou uma Fada doce e dengosa
De fácil manejo
Meiga e cheirosa
Sou capaz de te dar
Minha vida...
De me entregar inteira por amor
Mas tome cuidado:
Posso ser sua alegria ou seu pesar
Mas basta ser gentil e carinhoso
Que saberei te recompensar
Pois Fada sou

Paty Padilha

♪ Senhora D fala a Ehud ♪


Senhora D fala a Ehud
(...) como se eu tocasse sozinho um instrumento, qualquer um, baixo, flautim, pistão, oboé, como se eu tocasse sozinho apenas um momento da partitura, mas o concerto todo onde está? Desperdícios sim, tentar compor o discurso sem saber do seu começo e do seu fim ou o porquê da necessidade de compor o discurso, o porquê de tentar situar-se, é como segurar o centro de uma corda sobre o abismo e nem saber como é que se foi parar ali, se vamos para a esquerda ou para a direita, ao redor a névoa, abaixo um ronco, ou acima?

Ehud responde

isso de procurar a orquestra, senhora D,
é coisa de vadios, sabe-se lá, mudaram-se todos,
que te importa o som de todos se tens o teu?


Hilda Hilst in A obscena senhora D

ღღ

Ai, quem me dera


Ai quem me dera, terminasse a espera
E retornasse o canto simples e sem fim...
E ouvindo o canto se chorasse tanto
Que do mundo o pranto se estancasse enfim

Ai quem me dera percorrer estrelas
Ter nascido anjo e ver brotar a flor
Ai quem me dera uma manhã feliz
Ai quem me dera uma estação de amor

Ah! Se as pessoas se tornassem boas
E cantassem loas e tivessem paz
E pelas ruas se abraçassem nuas
E duas a duas fossem ser casais

Ai quem me dera ao som de madrigais
Ver todo mundo para sempre afins
E a liberdade nunca ser demais
E não haver mais solidão ruim

Ai quem me dera ouvir o nunca mais
Dizer que a vida vai ser sempre assim
E finda a espera ouvir na primavera
Alguem chamar por mim...


Vinícius de Moraes

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

domingo, 21 de dezembro de 2008

Belo



Sou feito de cacos e retalhos.
Meu corpo de retalhos e costuras;
Minha alma de cacos e soldas.

Mas não penses que por isso me faço feio;
Sou a mais linda colcha de teu enxoval
A aquecer as tuas noites de inverno
Quando o outro lado da cama está vazio;
Sou o mais belo vitral de tua janela
A colorir os raios do sol que iluminam
O templo interior de tuas solidões.

Fiz-me belo em teu leito e em teu altar
Para te aquecer e te colorir, Bela!

(Oswaldo Antônio Begiato)

Colha o dia, confia o mínimo no amanhã
Não pergunte, saber é proibido, o fim que os deuses
darão a mim ou a você, Leuconoe, com os adivinhos da Babilônia
não brinque. É melhor apenas lidar com o que cruza o seu caminho
Se muitos invernos Jupiter te dará ou se este é o último,
que agora bate nas rochas da praia com as ondas do mar
Tirreno: seja sábio, beba seu vinho e para o curto prazo
reescale suas esperanças. Mesmo enquanto falamos, o tempo ciúmento
está fugindo de nós. Colha o dia, confia o mínimo no amanhã.

(Odes" (I, 11.8) do poeta romano Horácio /65 - 8 AC)

Enquanto faço o verso



Enquanto faço o verso, tu decerto vives.
Trabalhas tua riqueza, e eu trabalho o sangue.
Dirás que sangue é o não teres teu ouro
E o poeta te diz: compra o teu tempo.

Contempla o teu viver que corre, escuta
O teu ouro de dentro. É outro o amarelo que te falo.
Enquanto faço o verso, tu que não me lês
Sorris, se do meu verso ardente alguém te fala.

O ser poeta te sabe a ornamento, desconversas:
"Meu precioso tempo não pode ser perdido com os poetas".
Irmão do meu momento: quando eu morrer
Uma coisa infinita também morre. É difícil dizê-lo:

MORRE O AMOR DE UM POETA.

E isso é tanto, que o teu ouro não compra,
E tão raro, que o mínimo pedaço, de tão vasto
Não cabe no meu canto.

Hilda Hilst

sábado, 20 de dezembro de 2008

Piadinhaaa

Telefone toca........
Triiiiimmmmmmm....Joãozinho atende:
-Alô......
- Quem fala.....
- Aqui é o Joãozinho........
- Joãozinho teu pai está em casa???????
- Está...........
- Então chama ele ao telefone..........
- Não posso.............
- Por quê???????
- Ele está tomando banho............
- E sua mãe está?
- Está.......
- Então chama ela .........
- Não posso.........
- Por quê??
- Ela está tomando banho com o papai...........
- Ahhhhh..... e você acha que vão demorar??
- Acho que sim, um pouco.........
- Por quê??
- Agora pouco o papai gritou:
- JOÃOZINHO, TRAGA A VASELINA.
- E daí??
- Eu levei superbonder..
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Filhos agenti ama eles kkkkkkkkkkkkkkkk

Bom dia!!




“Honrarei o Natal em meu coração e tentarei conservá-lo durante todo o ano.”

Charles Dickens


sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Nesta sexta..........
"... se um grande prazer
Rola pelo ar

Brilhante como
Uma estrela

Leve e louco
E sem pressa de acabar

A gente nem pensa na hora
Faz o que?rsrsrs
Passa dia e noite assim

O amor não tem que ser
Uma história
Com princípio, meio e fim...

"Você olha pra mim e é tão Fácil mudar qualquer plano..."

(Caça e Caçador/Eric Bulling)