sábado, 29 de agosto de 2009

Porque tudo acontece por um motivo...


"Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha,
e não nos deixa só,
porque deixa um pouco de si e leva um pouco de nós.
Essa é a mais bela responsabilidade da vida
e a prova de que as pessoas...

...não se encontram por acaso."

(Chaplin)

Mel Do Sol




O verão chegou trazendo a voz
Da paixão que escorre mel do sol
E incêndeia o nosso coração,
Menino
Brincando na areia.
Que o verão saiba cuidar de nós
Passageiros como a luz do sol
Que incêndeia o nosso coração,
Menino
Brincando na areia.
Madrepérola de cores vãs
No vitral insone das manhãs
Que eu vi passar enquanto o mar
Menino
Brincava na areia.
Que a paixão saiba cuidar de nós
Que você beba do mel do sol
E que a sombra que o verão trará
Possa descansar seu corpo
Menino
Brincando na areia.
O verão chegou trazendo a voz
Da paixão que escorre mel do sol
E incêndeia o nosso coração,
Menino
Brincando na areia.


Oswaldo Montenegro

Amor


Na véspera de ti
eu era pouca
e sem
sintaxe
eu era um quase
uma parte
sem outra
um hiato
de mim.

No agora de ti
aconteço
tecida em ponto
cheio
um texto
com entrelinhas
e recheio:
um preciso corpo
um bastante sim.


Maria Esther Maciel


Hoje...
particularmente hoje
estou esperando alguém
ou algo que me faça acreditar...

( Rivkah Cohen )

Todos Juntos (Os Saltimbancos)


Todos juntos somos fortes
Somos flecha e somos arco
Todos nós no mesmo barco
Não há nada pra temer
- Ao meu lado há um amigo
Que é preciso proteger
Todos juntos somos fortes
Não há nada pra temer


E no mundo dizem que são tantos
Saltimbancos como somos nós.

Enriquez - Bardotti - Chico Buarque


Quando você me ensinou a dançar
Anos atrás com olhos nebulosos
Cada passo e olhar silencioso
Cada movimento, uma doce surpresa

Alguém deve ter te ensinado bem
A seduzir e a encantar
Pois naquela noite você derramou seu feitiço
E me ensinou a dançar

O reflexo da luz em um lago
Eu relembro o que aconteceu antes
Enquanto eu me doava, Eu aprenderei a não pegar
E a não ficar sozinha mais uma vez

Outras luzes podem iluminar meu caminho
Eu posso até encontrar um amor
Mas nunca esquecerei daquela noite

Quando você me ensinou a dançar
Ventos frios sopram
Mas você me encontrará naquelas colinas
E eu sei
Que você está caminhando bem atrás de mim

Quando você me ensinou a dançar
Anos atrás com olhos nebulosos
Cada passo e olhar silencioso
Cada movimento, uma doce surpresa


L’art



Sou artista do infinito.
Em cena, sem ensaio.
Trago gizes nos bolsos
para colorir enganos
e pequenas lamparinas
para alumiar estréias
O enredo é bom, amor;
(a atriz é sofrível;mas
perseverante)

Se você quiser,
tem lugar no gargarejo.
Você me dá paciência,
e carinho no teu olhar.
Eu em troca ofereço,
malabarice clássica:
de comédias de fadas
à tragédias de quinta.

Em avant-première será teu,
por entre dias ímpares,

Luzzsh

E AQUI VAMOS NÓS...


Há coisas bem piores
do que ser sozinho.
mas às vezes levamos décadas
para percebê-lo.
E ainda mais vezes
é demasiado tarde.
E não há nada pior
do que
demasiado tarde.

__Charles Bukowsky__

Boa Noite!


Brinca enquanto souberes!

Tudo o que é bom e belo

Se desaprende...

A vida compra e vende

A perdição,

Alheado e feliz,

Brinca no mundo da imaginação,

Que nenhum outro mundo contradiz!

Brinca instintivamente

Como um bicho!

Fura os olhos do tempo,

E à volta do seu pasmo alvar

De cabra-cega tonta,

A saltar e a correr,

Desafronta

O adulto que hás-de ser!"


Miguel Torga

"MORRO DE SAUDADE...


"MORRO DE SAUDADE.
Que coisa maluca a distancia, a memória.
Como um filtro, um filtro seletivo,
vão ficando apenas as coisas
e as pessoas que realmente contam."

Caio F.Abreu

"O meu amor honra-me com prendas e eu nada tenho para lhe dar. Talvez a Lua. Afaga-me o cabelo e enche-o de nuvens e eu só lhe posso retribuir com raios de sol. Debruça-me sobre um manto fresco de ervas e brinca com as minhas orelhas. Dou-lhe, em segredo, um sorriso, a que ele, logo, acode com uma cascata líquida de risos cristalinos. À noite desculpa-se por não ter outras prendas para demonstrar-me o seu verdadeiro amor. É nesse momento que, então, envergonhada por ter menos do que ele, aproveito o escuro do quarto e lhe pouso, devagar, sobre a almofada, uma pétala, ainda viva, perfumada, duma flor."


José António Gonçalves

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Eis Minha Amada


Com mãos faceiras e hábeis
Tomou seus versos impuros e sovados
Lavando-os com água fresca e amaciante.
A mais amante.


Pelo avesso,
Para que eles não perdessem suas rimas,
Entregou-os ao sol, através de varais fincados nos quintais,
Para que fossem iluminados com a luz da estrela.
Era tão bonito vê-la.


Enxutos, passou-os sob ferro em brasa
Borrifando neles perfumes feitos com extrato de flores
E lhes conferiu vincos impecáveis.
Poder-se-ia senti-los sem pecados.


Feito isso, limpos e ordenados,
Guardou-os nas muitas gavetas de meu livro de cabeceira.


Fez-me apaixonado.

(Oswaldo Antônio Begiato)

PARA QUE COMPLICAR?


Não precisas de presentes
Nem rimas,
nem flores,
nem nada.
Basta trazeres o que sentes,
E chegares de madrugada.


Perde as mãos pelo meu corpo,
Faz-me calar com um beijo,
Como se eu fosse o teu porto,
E tu meu mar de desejo.


Deixa falar a paixão,
Não faças juras de amor,
É só carinho e tesão,
Suor, gemidos, calor.


Enrosca-te no meu seio
Os corações a bater.
Sem confusão,
sem rodeio
Mais simples não pode ser.


Carlos Drummond de Andrade


Com quantos suspiros se escreve a palavra saudade?

Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
nem na polpa dos meus dedos
se ter formado o afago
sem termos sido a cidade
nem termos rasgado pedras
sem dercobrirmos a cor
nem o cheiro da erva.


Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
minha raiva de ternura
meu ódio de conhecer-te
minha alegria profunda.


(Maria Teresa Horta)

“A música passa ao largo do meu pensamento e se instala onde eu me sinto, onde eu me conecto com sensações infantis de extremo prazer, onde tudo se torna absolutamente instintivo. Ela me desengessa. Dá reconhecimento ao meu corpo, que reage a ela sem pudores.

Enquanto as palavras vestem, a música despe.

E quando estão juntas, letra e música — boa! — aí é uma excitação diferente, é um arrebatamento difícil de explicar, é mais ou menos o que acontece na hora do sexo, quando a gente não está pensando em nada, quando a gente deixa o personagem do lado de fora do quarto e recupera a pureza de ser quem é.


Martha Medeiros

sábado, 22 de agosto de 2009

Invisível


A alma é invisível,
um anjo é invisível,
o vento é invisível,
o pensamento é invisível,
e, no entanto,
se pode enxergar a alma,
se pode adivinhar o anjo,
se pode sentir o vento,
se pode mudar o mundo
com alguns pensamentos...

Roseana Murray
In: Manual da Delicadeza de A a Z,
Ed. FTD, S.P , 2001.

Amar é sofrimento de decantação,
produz ouro em pepitas,
elixires de longa vida,
nasce de seu acre
a árvore da juventude perpétua.
É como cuidar de um jardim,
quase imoral deleitar-se
com o cheiro forte de esterco,
um cheiro ruim meio bom,
como disse o menino
quanto a porquinhos no chiqueiro.

É mais que violento o amor

Adélia Prado

AS ABELHAS


A aaaaaaabelha-mestra
E aaaaaas abelhinhas
Estão tooooooodas prontinhas
Pra iiiiiiir para a festa.


Num zune que zune
Lá vão pro jardim
Brincar com a cravina
Valsar com o jasmim.


Da rosa pro cravo
Do cravo pra rosa
Da rosa pro favo
Volta pro cravo.


Venham ver como dão mel
As abelhinhas do céu.


Vinicius de Moraes

Tem gente que é só passar pela gente, que a gente fica contente.
Tem gente que sente o que a gente sente, e passa isso docemente.
Tem gente que vive como a gente vive...
Tem gente que fala e nos olha na face...
Tem gente que cala e nos faz olhar...

Toda essa gente que convive com a gente,
leva da gente o que a gente tem, e passa a ser gente dentro da gente.

Um pedaço da gente em outro alguém!

__Fernando Sabino__

"Acredito nos olhos de quem está
apenas observando,
aprendendo, sem julgamento.
Acredito que existe um lugar para mim,
assim como existe lugar para todo mundo.
Porque existe lugar para todo mundo.
É só procurar. Eu acredito.Acredito no tempo.
O tempo é nosso amigo, nosso aliado,
não o inimigo que traz as rugas e a morte.
O tempo é que mostra
o que realmente valeu a pena, o tempo nos ensina
a esperar, o tempo apaga o efêmero
e acaba com a dúvida."

Caio F. Abreu

- Sabes o que é realmente bonito de se ouvir? mesmo muito bonito?
-Diz
-Prometes que não gozas?
- Prometo, diz.
- A sério?
- A sério. Diz.
- A coisa mais bonita de se ouvir, mais melodiosa, doce, que nos faz sentir bem e em paz, sentindo comunhão e paixão, desejo em comum e partilha.
- diz
- que nos explica porque viemos a este mundo e nos comprova que pertencemos a ele
- Desembucha
- que ao primeiro sopro nos mostra que estamos vivos, e que, acima de tudo, somos importantes, pelo menos para quem somo-lo, é...
- Diz, fala, fala de uma vez...
- tão só... em pequenas partículas de existência e ser
- diz diz
- de forma tão singela
- ...
- a respiração da outra pessoa ao nosso lado.


(Paulo Ferreira in Cartas a Mónica)

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Cativar


"Estás à procura de galinhas?
- Não, disse o principezinho, procuro amigos. O que é que quer dizer "cativar"?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."."


(Saint-Exupéry in O Principezinho)

AFONSO ESTEBANEZ STAEL



(A. Estebanez), advogado, poeta, jornalista e escritor fluminense, é verbete na “Enciclopédia de Literatura Brasileira” (vol. 1, pág. 562, 1990), composta pela Oficina Literária Afrânio Coutinho (OLAC), organizada por Francisco Igrejas e editada pelo Ministério da Educação e Cultura e Fundação de Assistência ao Estudante do Rio de Janeiro, e apontado também como verbete da literatura brasileira no “Dicionário de Poetas Contemporâneos”, organizado por Francisco Igrejas e editado por Oficina Letras & Artes, 2ª Edição, 1991 (págs. 25/26).

Nasceu em 30 de outubro de 1943 no ambiente agreste do município de Cantagalo, Estado do Rio de Janeiro, filho de Manoel Stael e de Francisca Estebanez Stael, descendentes de ancestrais ciganos emigrados para a Espanha e de alemães de origem judaica radicados nas regiões agrícolas da Bélgica, que posteriormente imigraram para o Brasil, entre 1820 e 1930. Ensino secundário no Seminário Arquidiocesano do Rio de Janeiro (56/62) e superior nas Faculdades de Direito e de Filosofia, Ciências e Letras da UFF em Niterói (65/70). Finalista nos 1º, 2º e 3º Torneios Nacionais da Poesia Falada patrocinado pela Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Rio de Janeiro (68/69/70). Vencedor do Primeiro Concurso Estadual de Poesia do Advogado Fluminense (87). Exerceu a advocacia desde 68 e ocupou o cargo de Oficial de Justiça Avaliador do TRT da 1ª Região (93), aposentando-se quando lotado na Vara do Trabalho de Cordeiro (99), por cuja instalação lutou como Secretário Geral de Administração daquele município (92), onde se destacou como um dos fundadores da 45ª Subseção da OAB/RJ. 29/12/07 Poesias Poesias
Tem obras publicadas em livros, jornais e revistas. Recentemente, concorrendo com o poema “O Último Dia de Trabalho do Pôr-do-sol no Mar” e com a crônica “Trabalho como Escrevente de Pequenos Príncipes”, o biografado venceu, em julho de 2007, o Primeiro Concurso Interno de Literatura do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT- Rio), nas duas categorias (prosa e verso), com premiação em obras literárias famosas oferecidas pela Academia Brasileira de Letras (ABL). Tem página pessoal em formatação no site de Alma de Poeta (www.almadepoeta.com/afonsoestebanezstael.htm), administrado pelo poeta e escritor Luiz Fernando Prôa.

Livros de poesia: Canção Que Vem de Longe, poesias, 1966, J. Gonçalves Editora, Niterói/RJ; Livro de Viagem ou do Depoimento, poesias, 1971, Editora Olímpica Ltda, Livraria São José, Rio de Janeiro/RJ; Em Tempo de Lótus, Lírios e Acácias...., antologia poética compartilhada com os poetas maçônicos J. Alves Filho e J. A. Galdino da Costa, 1978, Papelaria Brasil Ltda, Niterói/RJ.; Canto de Abrição e Outras Sinfolias de Beira-Campo, caderno de poesias e haikais, 1988, Edição do Autor, Rio de Janeiro/RJ.


EM TEMPO DE LÓTUS, LÍRIOS E ACÁCIAS...

Jamais perder o momento
de encontrar na boca
um sorriso...

Jamais perder a esperança
de encontrar na curva
um caminho...

Jamais perder a certeza
de encontrar no muro
uma porta...

O lótus pode ser
o momento de glória
da lama...

O lírio pode ser
o encontro da paz
na esperança...

A acácia pode ser
a certeza da vida
na morte...

AFONSO ESTEBANEZ STAEL


PASTOREIO

Depois que aqui for deixado
e todos tiverem ido
vou ser vento libertado
pelas mãos dos desvalidos
espalhando flor e pólen
no solo fertiliza
com o pranto dos oprimidos...

Vou soltar as estribeiras
cavalgar nuvens em pêlo
e aboiar as corredeiras
de meus rios represados...
Vou montar a liberdade
fingida das carpideira
na pena dos condenados.

Sob os lábios comprimidos
dente por dente calado
olho por olho cerrado
na masmorra dos sentidos...
Vou virar redemoinhos
e girar pelos caminhos
como pássaros banidos.

Meus sonhos pagens de ninfas
Luzes sombras sobre os lagos
prado em flor de claras tintas
de mistérios desvendados...
Vou apascentar meus mortos
na paz de ovelhas famintas
entre lobos saciados...


AFONSO ESTEBANEZ STAEL


EXALTAÇÃO

Meu ser entrego ao derradeiro alento
no desenlace de minha alma ungida
pela esperança de num vão momento
galgar a morte na ilusão da vida.

Mas tudo o que me resta é a fé contida
num rasgo de prazer do sofrimento
de rebuscar na treva a luz perdida
no inferno elemental desse tormento.

E em já meu ser demente e sibilino
qual num culto de amor semidivino
minh’alma exita e chora e, enfim, persiste...

E flui por entre estrelas e alvoradas
num turbilhão de luzes deflagradas
ante a certeza de que Deus existe!


AFONSO ESTEBANEZ STAEL


DESENCONTRO

Foi do esperado
que o ter perdido
me fez ter sido
desesperado.

O ter perdido
foi de viver
do haver morrido...

O ter vivido
foi de morrer
da haver sonhado.

Foi do encontrado
que o ter vivido
me fez ter sido
desencontrado...

Afonso Estebanez


SONETO NATALINO

Se se tem que ser hoje aquilo tudo
que em vida não se foi, podendo ser,
seja esse sonho mudo ainda mais mudo,
enquanto for eterno até morrer.

Se se tem que pedir, que sobretudo
seja a doce ilusão de merecer
ao menos a esperança como escudo
de quem sonha algum dia receber.

Peça-se amor que mais amor reclame,
prazer de desejar só dor menor
em sofrer o prazer que se viveu.

Senão com grande amor, não se desame
ou se ame com amor ainda maior
essa dor que tão grande se doeu!

(Afonso Estebanez)


CANÇÃO PARA MATHËUS

Tu vens do amor divino que te espelha
num concerto de cânticos que acalma
meus inquietos crepúsculos de estrelas
que adormeceram na constelação
da alma...

Vens do anjo mensageiro que me avisa
– o senhor ancestral de meu segredo –
que teu ser múltiplo me traz na brisa
o sangue em que percorres meu amor
sem medo...

Sabes de mim como do mar o vento
como sabe os destinos o horizonte
do barqueiro... De meu contentamento
de ser ilha onde sonha o meu infante
marinheiro...

Tu vens do lado claro de meu ser
como um sonho remido de criança...
Quantas e quantas eras me restei
vivendo por viver no itinerário
da esperança...


Mas veio da canção que não se cala
na flauta o que não fala é o que me diz
e o que me diz é feito do mais terno
amor do jeito eterno do meu lado
mais feliz...

(Afonso Estebanez)


Hai-Kai

Inverno... E ainda colho
no tronco daquele corpo
dois pomos maduros.

Sol nascente... As mãos
do dia vão desdobrando
a luz da alvorada...

Sol poente... As mãos
da noite vão redobrando
a luz do crepúsculo...

E para que as flores
se me feres com espinhos
quando te dou rosas?

Deixa-me tocar
com as mãos a tua boca...
Eu sei colher rosas!

Refúgio de lágrimas,
meu velho salgueiro ensina-me
a chorar sozinho...

Decepado o tronco,
o carvalho renasceu
em forma de berço.

Plantando em teu corpo,
lanço sementes de beijos
no alto das colinas...

Saciada de beijos,
entregas-me, enfim, a taça
do teu melhor vinho!

De braços abertos,
suplicas que a crucifique
na cruz de meu corpo...

Noite de São João.
Meus balõezinhos de sonhos
queimados na infância...

Resgatei o empréstimo.
Mas não sei como pagar
aquele sorriso..

Da gávea da noite,
com rede de luz, a lua
vai pescando estrelas.

Afonso Estebanez


SONETO DE IMPROVISO...

Vem desse amor eterno de você
uma canção tangida pelo vento
uma flauta no som do pensamento
que ressoa na alma e não se vê...

Um sopro mágico e um floral de ipê
num desfolhar de beijos ao relento...
Eterno como o amor à flor do tempo
que vem sem precisar dizer porque...

Uma canção de ser tão docemente
percebida... Tão leve se pressente
que a gente nem precisa perceber...

Pois vem do amor plural de sua vida
o arrebol de uma história resumida
na história de uma flor no alvorecer...

(Afonso Estebanez)


Eu sei quando tu vens

Não preciso sondar os pensamentos
nem consultar meu vasto coração
para saber os dias e os momentos
em que me vens trazer consolação...

A mim me basta olhar pela janela
e abraçar a manhã no meu jardim,
pois sei que a claridade que vem dela
é a luz do teu amor dentro de mim...

Deixo a brisa tocar a minha face,
ouço as aves que vêm me visitar
e sei de cada rosa que renasce
o teu mágico instante de chegar...

Converso com o vento no telhado
onde o tempo costuma te esperar
de um futuro presente antecipado
por anjos que me vêm te anunciar...

No canteiro de beijos e jacintos
o odor suave de uma flor qualquer
inflama de desejos meus instintos
famintos de teu corpo de mulher...

Então eu sempre sei quando tu vens
sem que precises avisar-me quando...
O amor proclama quando tu me tens
e me prepara quando estás chegando.


Afonso Estebanez Stael


Aquele tempo era de açúcar

Criança,
ama com fé e orgulho
a terra em que nasceste!
Será que não verás país
nenhum como este?

Houve um tempo em que a escola
era uma casa de aprendiz de amor à pátria.
Os muros eram feitos de melado e rapadura.
A professora tinha lábios de sorvete de morango
e o hino nacional era cantado à marselhesa
ao pé do mastro onde a bandeira tremulava
como um troféu entre as muralhas
da Bastilha.

O chão da minha rua era de açúcar
as calçadas torrões de chocolate
e a chuva no telhado
era baunilha...

Não havia entrelinhas na cartilha
e cada herói jazia em seu lugar.
Nossos pais, de bem pouco suspeitavam
nem a Voz do Brasil nada informava
sobre trilhas e ardis de vis tropeiros
caminhos das Bandeiras de piratas
e Capitães d’América e Mandrakes trapaceiros
fazendeiros vestidos de jagunços de gravata
lobisomens de araque e coronéis aventureiros
garimpeiros do Conde de Assumar...

Ah, nas crinas prateadas dos canaviais
a lua não se casa mais com o luar...
O vento deu lugar à brisa peregrina
fugitiva da fornalha das usinas
tocadas pelos braços servis
dos samurais.

Não têm nome de heróis os bóias-frias.
Nas galerias os heróis são generais...

A História apelidou de Tiradentes
o mártir solitário de certa Independência
de quem jamais ouviu falar Coimbra cujo nome
não consta nos compêndios
da Sorbonne...

Aqui onde nascemos e vivemos
a História dá nome às avenidas
mas os becos-sem-saída
não têm nome...

Porque este é o Mundo de Marlboro!
O cavalo furioso de fundo de quintal
o alpinista penial em spot-light
o cacoete do nacionalismo alcoólico o cigarro top-model
e o sexo oral...

O manifesto cívico e moral
do arquivo oficial da ditadura
nas entrelinhas da cartilha descartável
das aulas de melado e rapadura...


O chão da minha rua era de açúcar
as calçadas torrões de chocolate...
A praça da matriz de caramelo
iluminada com bolinhas
de sorvete...

Criança,
ama com fé e orgulho
a terra em que nasceste!
Será, será que não verás país
nenhum como este?

AFONSO ESTEBANEZ STAEL


Canto de Abrição

(Folia de Reis)


Tempo haverá em que
o canto ficará
completamente mudo.

A lágrima será como semente
da palavra salgada
que os olhos plantarão
entre os lábios.

Meu senhor dono da casa
escutai prest’atenção
vinde abrir as vossas portas
pra esse nobre folião...

Devastarão casa por casa
cada palmo de chão será salgado
arrancarão todas as portas
e janelas dos sentidos
como o corpo num ritual
de sucessivos fluxos menstruais.

Sempre a história se repete
como a fábula inventada
por um rei que tem de tudo
e um povo que não tem nada...

Mas eu atirarei minha canção
no telhado da minha casa
e a chuva arrastará meus versos
pelas calhas esgotos e canais
e os desaguará em mar aberto
como barcos que despertam
na restinga da manhã...

As noites se perderão
para sempre de seus dias
mãos cheias virar-se-ão
sobre o chão das mãos vazias.

Transmitirei meu canto
boca a boca
como flor que germina
pelo olhar.

Espalharei meus barcos no vento
e minhas asas no mar...

No banquete solidário
da miséria consentida
só não morre quem não come
porque a fome é dividida...

Cada grito renascerá
no som do apito de fábrica
cada pranto reprimido
será chuva derramada.


Meu pai se chama João Caco
minha mãe Caca Maria
juntando Caco com Caca Maria
sou filho da cacaria...

De verde as folhas lavadas
nos arbustos das colinas
aos pingos encharcarão
as ramagens de resina...

A sobra que cai de cima
não se bebe nem se come...
Como água não mata a sede
como pão não mata a fome...

Nossa voz terá o calor da luz
no interior de uma choupana
na floresta.
A chuva correrá por claros vales
como fios de lã levados pelo vento.
Os pássaros imigrarão de seus mistérios
e as flores da manhã se regozijarão
como sinos diáfanos de luz
que não se ouvem senão com o coração...

Não quero toda a farinha
somente um pouco do pão
com que vossa mãe Maria
esposou meu pai João...

Os pés dos pequeninos pisarão lá fora
não como as botas que hoje pisam
a relva da esperança
fecundada pelo orvalho...
Eles terão o seu itinerário certo
como as reses os sulcos dos campos.

Quem sobreviver verá
em passos desencontrados
o diabo passar no rastro
sob as cinzas dos reisados...


Todos entoaremos

uma canção que não se ouvia mais.
Os olhos verão coisas inacreditáveis...

E os homens se tornarão
mais unidos pelo amor
como irmãos num só rebanho
pela voz de um só Pastor!

Nosso ódio não tem mais ira.
Andamos de pés trocados
festejando os desmomentos
dos remates acabados...

Meu senhor dono da casa
escutai prest’atenção...
Vinde abrir vossa loucura
pro meu canto sem razão.


AFONSO ESTEBANEZ STAEL

O último dia de trabalho do pôr-do-sol no mar

(ou do penoso ofício de sonhar)

Havia o mar na sombra do horizonte
havia o pôr-do-sol na água sombria
havia o porto e a encosta do mirante
e os corpos dos amantes na mortalha
da água fria...

Havia as naus no dorso dos destinos
e a brisa que saudava a volta ao cais
com os corais dos cantos peregrinos
das harpas e violinos dos noturnos
vendavais...

Havia como um repousar do mundo
nos profundos jardins das enseadas
havia vasta ausência no mais fundo
das almas insepultas que sonhavam
acordadas...

Havia o céu de estrelas rutilantes
e havia o mar de ninfas reluzentes
e a corrente de espumas flutuantes
das errantes escunas entre luzes
fluorescentes...

Havia como um êxtase em preparo
talvez a luz em seu estado impuro:
mais parte escura do seu lado claro
do que mais parte clara do seu lado
escuro...

Agora onde era o mar há o oceano
o poente sem sonhos naufragados...
Jaz agora no cais em ritmado sono
o pertencido amor dos navegantes
afogados...

Ainda há aves mortas no convés
e há naves ancoradas sem destino
o declínio de auroras dispersadas
pelas marés da saudade em pleno
desatino...

Ficou uma canção de marinheiro
e um canto rústico de pescadores
o pôr-do-sol no doloroso encanto
de renascer, sonhar, depois morrer
sem dores...

AFONSO ESTEBANEZ STAEL


Lisa

Nos ciprestes quem dança
é a toada perdida
se é o vento quem canta
e quem chora é a brisa.

Chuva fina no rosto
e entre musgo escorrida
nas penugens do corpo
descoberto de Lisa...

No lençol de alvo linho
uma rosa imprimida
em sudário de cio
sob lua precisa.

Da janela do quarto
ouço vaga cantiga
de algum anjo em compasso
com os passos de Lisa.

E na rua quem vaga
é a flauta partida
da canção acabada
na toada indecisa...

Nos ciprestes quem mora
é a flauta perdida
se é o vento quem chora
e quem canta é a brisa...


AFONSO ESTEBANEZ STAEL


O Inferno do Céu

Em parte somos feitos mais de sonhos
em parte mais de morte e pesadelos...
Em parte entre conselhos de serpentes
que mentem como a face dos espelhos.

Flores não sangram sob seus espinhos.
Rosas nem sabem quando vão morrer...
Calam-se os ninhos quase indiferentes
se é para sempre quando amanhecer...

Amor é dom que não celebra a morte
são flautas gêmeas da canção da vida
que suaviza como o êxtase das almas
acalma o coração que ainda agoniza...

Não há inferno onde um grão de amor
viceja em forma de uma flor qualquer...
Ah, luz do arco-íris dos portais do céu!
Oh, véu da flor de quando o amor vier!

Inferno é a dor que queima sem amor.
Amor é fogo que arde sem queimar...
Amor que amarga e dói e permanece
chama que a alma aquece sem tocar.

Malgrado tudo existe essa esperança
de que o sonho de luto dos enfermos
seja apenas lembrança desse inferno
que jaz eterno dentro de nós mesmos.


AFONSO ESTEBANEZ STAEL


Livro de viagem ou do depoimento

PRIMEIRO

que tudo aceito a tirania da saudade
que levo como prova de amor envergonhado:
minha gente submetida da América deBaixo
é a mulher rendida da América de Cima.
As gaivotas negras da paz estão pousadas
nas sombras das pedras machucadas pelo tempo
– a decidir caminhos que vão não sei pra onde
gritando liberdade de não sei o quê.

O que humilha mesmo é essa guerra de muletas
onde a vergonha da derrota nos obriga
a colher restos de louro jogados pelo chão.
Acostumamo-nos a estender as nossas mãos estradas
e os nossos braços trilhos às locomotivas
que colidem todo o dia com o nosso coração.

E vamos passando em nós uma cidadezinha antiga
onde o Rei um dia prometeu passar...
– E não passou!

Não sei onde arranjei essa coragem de dizer
que nossas guerras são de auroras
renascentes na paz do sangue verde matutino
da criança que ainda acordará dentro de nós...


AFONSO ESTEBANEZ STAEL

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Contando carneirinhos...


Quando o sono não vem a minha vovó diz pra mim:
- conte carneirinho que logo, logo você dorme...

eu sei contar
carneirinhos:
vou até o cem
com todos pulando
a cerca bem juntinhos.

mas acho que tiro
o sono desses
pequenos bichinhos

pois de tanto contar
carneirinhos
ficam sem tempo,
os fofinhos

e andam nos campos
quietinhos
com muito sono,
tadinhos...

então eu digo baixinho:
- não pula a cerca,
bichinho - vai tirar
um cochilinho...

- Vássia Silveira -

Sementes caem...


Ano após ano as sementes caem na terra mas nem todas chegam a ser grandes árvores. A maior parte delas é comida por aves e outros animais assim que caem, ou quando começam a germinar e a sair da terra, ou quando são queimadas em incêndios... Se todas chegassem a ser árvores, cobririam a terra de tal maneira que não haveria espaço para outros seres. Num todo, a natureza está equilibrada e pode manter uma perfeita harmonia em tudo. Deste modo, um minúsculo elemento, uma semente, é o suficiente para crescer e manter a harmonia e criatividade no universo.


Högen Yamahata, mestre zen

VISITAÇÕES, OU POEMA QUE SE DIZ MANSO







De mansinho ela entrou, a minha filha.


A madrugada entrava como ela, mas não
tão de mansinho. Os pés descalços,
de ruído menor que o do meu lápis
e um riso bem maior que o dos meus versos.


Sentou-se no meu colo, de mansinho.


O poema invadia como ela, mas não
tão mansamente, não com esta exigência
tão mansinha. Como um ladrão furtivo,
a minha filha roubou-me a inspiração,
versos quase chegados, quase meus.


E mansamente aqui adormeceu,
feliz pelo seu crime.


Ana Luísa Amaral

Costuma-se dizer que as paredes têm ouvidos, imagine-se o tamanho que terão as orelhas das estrelas."

José Saramago

O País das Maravilhas


Não se entra no país das maravilhas
Pois ele fica do lado de fora,
Não do lado de dentro. Se há saídas
Que dão nele, estão certamente à orla
Iridescente do meu pensamento,
Jamais no centro vago do meu eu.
E se me entrego às imagens do espelho
Ou da água, tendo no fundo o céu,
Não pensem que me apaixonei por mim.
Não: bom é ver-se no espaço diáfano
Do mundo, coisa entre coisas que há
No lume do espelho, fora de si:
Peixe entre peixes, pássaro entre pássaros,
Um dia passo inteiro para lá.

Antônio Cícero


Faz da noite bosque:
acolhe
este animal ferido
de perguntas -
ajuda-me
a ser álamo contigo.


Eugénio de Andrade

"Olhe o mundo com a coragem do cego,

entenda as palavras com a atenção do surdo,

fale com a mão e com os olhos, como fazem os mudos!"

Cazuza

Delicadeza



A alma é invisível,
um anjo é invisível,
o vento é invisível,
o pensamento é invisível,
e no entanto,
com delicadeza...
se pode enxergar a alma,
se pode advinhar o anjo,
se pode sentir o vento,
se pode mudar o mundo,
com alguns pensamentos...

- Roseana Murray -